abril 26, 2017

diário






 (Musa Paradisíaca & António Poppe 
no Centro de Arte Contemporânea da Quinta do Quetzal)



A nossa carne está 
grávida do verbo,
mas não sabemos 
como dar à luz 



Sem comentários:

StatCounter